Menu

script

sIFR -Tipografia

Bom hoje passei o dia tentando resolver um problema, tenho um site que estou programando, que o cliente quer usar uma fonte que não é padrao na web, bom procurando pela net achei um site que falava sobre um tecnica que eu podia usar qualquer fonte.

Do wikipédia:

O sIFR (atualmente na versão 2.0.6) é uma técnica criada por Mike Davidson – sIFR 2.0: Rich Accessible Typography for the Masses, servindo basicamente para construção de páginas com fontes tipográficas diferentes das comumente utilizadas. Basicamente o sIFR se trata de uma combinação de Macromedia Flash, JavaScript e Cascading Style Sheets. O sIFR está licenciado como Creative CommonsGNU LGPL.

O funcionamento do sIFR segue os seguintes passos:

  • 1. Uma página normal XHTML é carregada no navegador.
  • 2. Uma função de JavaScript checa se o Flash está instalado e procura pelas tags, ids ou classes você designou.
  • 3. Se o Flash não está instalado (ou naturalmente se o JavaScript está desativado), a página XHTML carrega normalmente e nada demais ocorre. Se o Flash está instalado, o JavaScript traduz a página verificando cada elemento que você queira alterar pelo sIFR.
  • 4. Depois de checado, o script cria animações Flash das mesmas dimensões e cobre o texto original, inclusive deixando o texto em Flash selecionável e copiável como um texto normal, copiando o texto numa variável de texto do Flash.
  • 5. O ActionScript dentro de cada arquivo de Flash então desenha o texto na fonte escolhida numa fonte de 6 pontos e amplia até que caiba no tamanho da animação Flash.

Este processo não é perceptível ao usuário normal.

Tutorial Action Script 3 – 009

. Programação Orientada a Objectos.

Por muitos a linguagem orientada a objectos é uma maneira simples, rápida e eficaz que se pode traduzir por uma melhor performance no código e uma mais fácil identificação de erros bem como a interpretação por parte de outros programadores. Mas como tudo, também existe outro lado da moeda, que muitos programadores ainda mostram barreira em aceitar esta metodologia de programação e se mostram muito reticentes ao seu uso.

Continue reading